Namoro conselhos para os meninos

Desde que me converti, aos 13 anos, embora já tivesse “ficado” com alguns meninos e até tido uma experiência de “namoro”, decidi que iria esperar o cara certo para casar e até lá ia ficar de boa, sem me preocupar com isso. Essa fase durou até uns 20, quando tive meu primeiro namorado cristão. O Príncipe que sabe o que quer, não é o melhor namorado do mundo; é o marido mais porreiro do mundo, porque não é o que olha todos os dias para nós, mas o que olha por nós todos os dias. Que tem paciência para os meus, os teus, os nossos filhos e que ainda arranja um lugar na mesa para os filhos dos outros. Que partilha a vida e vê em ... Alguns 'treinadores' da inspiração estão exercendo uma pressão incrível sobre os jovens para serem mais magros - sombreando um controle rígido e fazendo seu alvo enviar imagens todos os dias. Outros pressionam os meninos a aumentar o volume de seus corpos e enviar fotos para ilustrar isso. 13 de junho de 2016 Kellen Rodrigues Responder. Namoro a distância há 5 meses. Ele foi para o RS fazer mestrado, e eu fiquei em Goiás terminando a graduação. Ainda não estamos noivos, mas pretendemos nos casar assim que o mestrado dele e a minha graduação acabar. Conselhos para Namorados ... 'Eu vos escrevi, meninos, porque conheceis o Pai. Eu vos escrevi, pais, porque conheceis aquele que é desde o princípio. ... muitas das vezes em um namoro cristão e preciso mudar os hábitos e evitar entimidades desnecessárias ao extremo , a vigilância deve estar em primeiro lugar ... Aqui estão os melhores namoro conselhos para os homens que ajudá-los em flertar com uma menina através de um telefone: 1. Tenha uma meta. Antes de pegar o telefone, é bastante bom se você tem algumas boas ideias sobre os assuntos que você está indo para falar e discutir sobre. Get in touch with Conselhos para você! (@Suaconselheiraa) — 1903 answers, 859 likes. Ask anything you want to learn about Conselhos para você! by getting answers on ASKfm. Rodrigo Santos sintetiza neste artigo conselhos do Papa Francisco para a boa educação dos filhos. “Antes, a gente falava mais pontualmente sobre namoro para jovens de 17, 18 anos. Hoje, precisamos falar para os meninos e meninas de 11, 12 anos. O mundo mudou muito nesses últimos anos e não podemos ficar só discutindo gravidez fora do casamento e doenças sexualmente transmissíveis.

Preconceitos estão me derrubando em um poço sem fim.

2020.08.19 00:08 ItzHaruka Preconceitos estão me derrubando em um poço sem fim.

3x tentando postar... acho que agora foi..
Oi, pessoa que está lendo esse texto agora. Eu gostaria de desabafar sobre algo.. e se voce chegar até o final, adoraria um conselho, pode ser..?
Bem.. tenho 19 anos, sou um garoto transsexual (menina que se vê como menino) e nasci em uma família de Transfobicos religiosos. Desde o começo eu sofri preconceito, independente do que fosse. Eu comecei a namorar aos 12 anos mas desde os 10 eu ja ouvia a minha própria família sendo completamente homofobica comigo, sem eu nem mesmo saber se gostava de garotos ou garotas.. me julgavam, me chamavam de coisas horríveis e diziam que era apenas brincadeira..
Tudo só piorou quando descobri que era trans e gay.. comecei meu novo namoro aos 15 anos.. ele.. por incrível que pareça, estava passando pela mesma situação que eu.. eramos duas meninas que se enxergam como garotos e sofriamos com a homofobia de nossas famílias. Uma vez, na praia, eu resolvi contar pra alguém.. e isso terminou em um adulto de 29 anos (detalhe.. eu tinha 16) tentando me beijar.. eu tentei o parar e fiquei com medo.. me encolhi no canto do carro e não movi um músculo até ele me levar para casa.
Quando cortei meu cabelo.. como as pessoas dizem "joaozinho" recebi tantos insultos... e as pessoas começaram a falar cada vez mais de mim pelas costas... me xingavam... eu.. cheguei a descobrir que meu pai nem mesmo queria que eu tivesse nascido ao ponto de ter pedido um teste de DNA para confirmar se eu era seu filho... as palavras que ele usou me quebraram de tantas formas... "ela é o lado ruim da família, não é possível que seja minha filha" (mesmo eu me assumindo como transsexual.. continuaram a me chamar na forma feminina.. e olha... isso doia...)
Eu... comecei a ser tratado que nem escravo na casa de meus pais... limpando a casa toda sozinho... pra depois as pessoas julgarem dizendo que eu "não limpei direito"..
Eu sinceramente... não consigo mais aguentar... estou a beira do meu limite de cair nesse buraco obscuro que estão me puxando... não sou religioso o que é mais um ponto negativo pra eles.... eu sou um nada..
Não tenho importância alguma... "se acontecer só enterra", eu ouvi me dizerem isso tantas vezes... quando eu tive minhas tentativas de sumir desse mundo.... eu sou tão calado.. que mal tenho coragem de dizer algo... porque sei que irei acabar mal... eu pretendo sair dessa casa... mas até eu conseguir me ajustar... eu realmente não tenho lugar pra ir....
Essa pandemia está acabando comigo.... ter que ficar o dia todo ouvindo essas coisas... me trancar no meu quarto.... eu estou aqui desabafando porque eu sinceramente não aguento mais guardar isso só pra mim.. nao da.. sabe...? Uma hora você chega no seu limite......
Se voce leu até aqui.... eu agradeço..... sinto-me importante por um momento...
submitted by ItzHaruka to desabafos [link] [comments]


2020.08.01 17:52 Natalia_Richarde2020 O DIA QUE FUI AMEAÇADA DE MORTE PELA EX

oi luba, turma, gatas maravilhosas, papeis assassinados, editores e possível convidado (que quase nunca tem), hoje vou contar minha triste historia de como fui corna e traída por amigos. bom luba essa é a minha primeira vez participando e espero muito que goste da historia.
ps: estou repostando, pq a anterior tinha alguns detalhes faltando e alguns erros de português ( me perdoe se ainda conter alguns), mas sem delongas vamos a historia.
Eu tinha uma amiga e a gente era bem próximas no período do ginásio e aí quando fomos para o 1° ano do colégio (2015) foi quando eu conheci um menino e a gente sempre foi próximos e por mais que ele trocava de turno na escola (por conta de trabalho),mas isso não interferia nossa amizade e nessa época ele começou a namorar essa amiga minha e cara eu shippava eles pra caralho e sempre apoiava e tudo mais, mas quando foi no 3°ano do colégio (2017) eu e esse meu "amigo" ("amigo" pq eu considerava ele mais um irmão) a gente caiu na mesma sala e aí ele sempre me pedia conselhos sobre o namoro pq segundo o que ele me contava, ela era muito infantil no namoro e tinha ciúmes demais e ainda tinha ciúmes de mim e tipo sempre dei conselhos para ele conversar com ela e assim se resolverem e essa amiga minha em vez de chegar em mim e perguntar as coisas para mim, ela simplesmente mandava outras pessoas perguntar sobre minha relação com o namorado dela e bom sempre fui sincera e sempre falei que considerava ele como meu irmão e que eu e ele não tínhamos nada. Mas ela sempre vinha com as criancices e tudo mais e depois dele passar o ano todo nesse chove não molha ele pediu mais conselhos para mim sobre e eu já tinha dado vários conselhos e o namoro deles não melhorava e o mais sensato quando isso acontece é o término (principalmente quando o diálogo não funciona mais) e aí eu falei para ele que se não tinha jeito que ele terminasse com ela, pq eu não queria o meu irmão sofrendo e assim ele fez e nisso começou o inferno, pois, ele começou a ficar com uma outra amiga nossa e ela começou a xingar eu e essa menina para o colégio todo e sempre quando alguém ia tirar satisfação, bom se fingia de que não tava fazendo nada e que os outros queria envenenar ela para nó,s blz os dias foram passando e aí eu e ele começou a ficar mais próximos, pois a gente cantava no mesmo ministério e aí a gente acabou começando a ficar serio e após 1 mês e começamos a namorar e aí a ex dele veio de mimimi para o meu lado sobre ele e dizia que ele amava ela ainda e aí eu contei que a gente tava namorando e tudo mais e que ele já tinha esquecido ela e que era pra ela seguir a vida dela(maldita hora que fui falar isso) essa menina começou a nos perseguir e nesse meio tempo conheci uma menina (meu namorado que apresentou ela)e ela se tornou uma irmã e ela sempre me ajudava em tudo ( guarde essa "melhor amiga/irmã", pois ela é importante), bom essa ex dele começou a nós perseguir e me atormentar e vindo conversar comigo no whatsapp (na maioria das conversas era nós duas brigando) e vinha postando indiretas para mim (e eu como uma boa pessoa retribuía as indiretas, com outras indiretas) e nessa época eu trabalhava e meu namorado sempre ia lá e passava um tempinho lá para me ver, mas teve um dia que ela viu ele lá e foi lá e sentou do lado dele e começou a me provocar tirando fotos dele e postando com legendas fofas e logo depois ela foi na mulher que cuidava do caixa e era amiga dela (essa mulher era bem próxima minha, era quase uma mãe no trabalho, foi ela que me ensinou tudo e me ajudou com tudo sempre, ou seja ela sabia da historia e ela iria me defender e me contar) e essa garota começou a falar que eu tava atrapalhando o namoro dela com ele e falando outras coisas além disso e tentando me envenenar para ela e meio que querendo que eu perdesse meu emprego, mas essa mulher já sabia da verdade e apenas acalmou ela e falou que se ela namorasse ela o pq de quando ele caiu de moto eu que estava lá do lado dele no hospital e não ela e quem cuidou dele foi eu e não ela e outras coisas e nisso ela saiu e a mulher veio conversar comigo e falar o que ela tinha falado e nisso eu comecei a chorar e tudo mais, pois meu psicológico tava totalmente abalado e estava totalmente frustada com tudo ( e também tinha medo dessa menina fazer eu perder meu emprego, pois era meu refugio aquele trabalho e por mais que era difícil lidar com as pessoas, aquele trabalho me fazia esquecer dos problemas em casa e no pessoal) e aí passou um tempo e ela ainda estava atormentando e um certo dia ela veio falar para ele que tava grávida dele (pois eles tinha feito fuc fuc 1 mês antes da gente começar a namorar ou seja, quando a gente estava ficando serio) e aí ele veio até mim e me contou tudo e eu perdoei ele e aceitei ele mesmo tendo um filho com ela e que estaria aqui para ajudar ambos no que precisar e umas horas mais tarde ela apareceu e começou a forçar ele a terminar comigo e ele falava que não ia terminar e ela ficava insistindo e aí eu perdi a cabeça e comecei a discutir com ela no meio da praça e todos olhando (puta vergonha que passei), mas aí como eu vi que ele não estava bem parei de discutir e ele foi conversar com ela e até que conseguiu fazer ela ir em bora e ai ele decidiu não assumir a criança, porém ajudar financeiramente ela e ela não aceitava essa ajuda nossa e fazia altos dramas ( de como ia ser o filho dela sem pai presente e tudo mais) e até que um dia a gente fez ela fazer exame para a gente realmente saber se era verdade a gravidez (como ela tinha uma certa fama de destruir relacionamentos dos outros, a gente foi ter certeza se procedia a história) e aí no dia que eles marcou os exames, meu namorado ia com ela neh, porem ela não esperou ele e tirou sangue sem ele e isso aí já fez a gente suspeitar da procedência do exame (pq o laboratório não era tao confiável), mas aí passou uns dias os resultados chegaram e dizia que ela tava realmente grávida e ainda sim existia a dúvida de ser dele e ela ainda continuava infernizando a gente e aí sempre que eu pedia conselhos para aquela "amiga" minha, ela sempre falava para mim terminar com ele e nunca me apoiava e tudo mais e isso me fez ter um pulga atrás da orelha sobre fidelidade dela (mesmo ela falando que ele não fazia o tipo dela, pq ela pode estar mentindo e a fama dela não era tão boa assim, tanto que tinha vindo pessoas me alertar sobre ela) e comecei a ficar esperta, pq meu namorado sempre que a gente ia sair ele gostava de passar na casa dela e tudo mais (e também comecei a ficar alerta, quando meu cachorro avançou nela, sendo que ele é amoroso e tem teorias de que cachorro tem o sentido de descobrir que não tem boas intenções e isso já me deixou encafifada e também teve um dia que a gente foi na casa dela e eu meio que me senti excluída ) e aí um dia a gente marcou de ir eu, meu namorado e a ex dele para a gente sentar e conversar sobre e bom esse dia chegou e após muita discussão ele me escolheu e ela não queria aceitar e começou a fazer chantagem e ainda mandando indiretas para mim por celular e a gente discutia sempre no whatsapp e aí teve um dia que ele foi por um ponto final e aí ela me ameaçou de morte e tudo mais (pse ele gravou um áudio sem ela perceber e ela me ameaçava e falava que se ela não podia ficar com ele, que eu não ia ficar e que ela poderia ir pro inferno por me matar, mas ela não se importava) e quando descobri isso fique desesperada e com medo e com raiva por ele nunca por um ponto final e tudo mais e isso tava me fazendo perder muito cabelo e eu ter crises de ansiedade, pois estava aguentando essa barra toda sozinha, pois não tinha apoio de ninguém (minha mãe sabia do namoro, porém nunca fui de dividir os problemas com ela e ela amava meu namorado) e aí um dia a ex dele teve um aborto espontâneo e aí ela parou de nós infernizar (esqueci de falar que ela sempre falava que ele só está a comigo para fazer ciúmes nela e tudo mais kkkk sendo que ele odiava ela) e aí a gente começou a ter paz, porém ele começou a ficar mais distante (ele falava que eu era a que tava distante, sendo que eu sempre fazia textinho e ele sempre falava as mesmas coisa que ''ele estava surpreso e não sabia o que dizer'' e demais desculpas esfarrapadas e até gastei 150 reais em uma aliança nova, pois eu tinha perdido a outra numa viagem e cara sempre fazia surpresas eu dava 100% de mim e ele nem 50% dele e isso me deixava muito triste e insegura comigo mesma) e um dia ele foi trabalhar em uma festa e aí ele me traiu com uma outra amiga nossa e ele falou que não foi culpa dele e que a menina que tinha beijado ele e tudo mais (e eu a trouxa perdoei)(esse rolo todo foi em 2018) e aí o ano passou e faltando 2 semanas para acabar fevereiro de 2019 ele me pediu um tempo e nesse período aquela minha "amiga" começou a postar fotos com ele com legendas fofas e tudo mais e era todos os dias praticamente e aí eu me afastei dela e aí nesse período saiu o resultado do meu vestibular e eu consegui passar aonde eu queria e aí eu e meu namorado marcou de conversar e resolver o nosso namoro (pq eu tava quase indo para outra cidade por causa da faculdade) e a gente foi no dia que a gente completava 1 ano de namoro e aí ele chegou deu feliz 1 ano e aí começou a falar que me amava,mas que ele tinha medo de eu ir para outra cidade e trair ele ou conhecer alguém melhor que ele e tudo mais (sendo que qualquer babaca seria muito melhor que ele e serio eu trair ele? esses medo era pq ele era o infiel da relação)e aí ele falou que se eu queria terminar com ele e aí eu falei que seria melhor a gente terminar, pq se pra ele nosso relacionamento a distancia não ia funcionar, então para que continuar e aí ele veio me abraçou e começou a chorar, porém percebi que aquele choro não era muito verdadeiro e aí eu chorei vindo para casa, mas era um choro dele alívio e um pouco triste por ter que contar para minha mãe que a gente tinha terminado, pois como a gente terminou eu estava tranquila que eu não iria sofrer mais e assim iria para outra cidade e não precisarei conviver com aquelas pessoas e aí alguns meses após o término meu ex veio conversar e pedir desculpas por tudo que ele tinha feito e pedir uma segunda chance, pois ele tinha se arrependido de tudo (pq ele tinha namorado e essa menina tratou ele tão mal, quanto ele me tratou e aí ele se deu conta das merdas que ele fez com quem realmente amava ele e que sempre cuidou e quis seu bem), porém após esse término eu comecei a ter mais alto estima e perceber que eu merecia alguém muito melhor e que ele e aí eu naturalmente dei um fora (ele começou a falar coisas do tipo ''você fazia cursinho fora e você acha que eu não iria desconfiar de algo'', insinuando que eu tinha traído ele e eu me estressei e comecei falar e por pra fora tudo e ai ele viu o quão errado ele estava) e uns dias depois um amigo meu veio me contar que esse ex meu tinha ficado com essa "amiga" minha um pouco depois que a gente terminou e eu fui e perguntei para ele e ele me confirmou e aí eu cortei minha amizade com aquela "amiga" e aí ele queria continuar a amizade comigo e eu aceitei, porém sempre fui fria e aí ele veio reclamar que eu não era a mesma e que eu estava fria com ele e aí eu falei que depois de tudo ele queria ainda que eu fosse igual com ele e fingisse que tava tudo ok e aí ele parou de falar comigo, por atualmente eu já os perdoei e queira que ele sejam feliz, contei para minha mãe os reais motivos de eu ter terminado com ele uma semana depois de ter me mudado para outra cidade, pq eu não tinha coragem de contar cara a cara e aí lubinha atualmente eu encontrei alguém que realmente me ama e me valoriza do jeito que sou e sempre me anima e sempre está disposto a tudo por mim, tanto que foi ele que me apoio a vir contar para você essa historia (eu e ele te assiste e então sempre que a gente joga a gente usa algumas frases suas), bom lubinha tenho algumas prints das conversas e queria muito poder deixar aqui para você ver, mas não sei como faz para colocar kkkk, a já ia esquecendo de contar que essa ex namorada dele sempre tentava fazer meu amigos se virarem contra mim, porem não conseguiu e então é isso lubinha essa é minha historia de quando fui traída em um relacionamento e em amizades . bjs lubinha e obrigada por todas as noites de diversão que você me proporciona (principalmente com o quadro nice mendigos e sempre coloco eles quando estou com crise de ansiedade ou insonia, pois me ajuda a acalmar e dormir) e caso queira julgar quem foi o babaca da historia pode ficar a vontade (apesar de eu achar que todos foram kkkkk). é isso lubinha,bjs e desejo todo o sucesso do mundo para você, seus editores e turminha. então é isso bjs lubinha, amo você.
submitted by Natalia_Richarde2020 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.29 20:42 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

(Postei primeiro no desabafos, mas resolvi postar aqui também)
O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.
Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.
A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.
A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha
Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to sexualidade [link] [comments]


2020.07.29 20:24 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.

Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.

A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.

A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha

Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to desabafos [link] [comments]


2020.07.19 01:47 Ranmaaa Sou babaca por querer cortar todas as ligações com meu melhor amigo?

Yoo turminha, Luba(se estiver lendo isso), editores maravilindos, gatas e cadaveres de papelão, tudo bom cô6? Bom... há quase três anos atrás eu conheci um menino que é uns dois anos mais velho que eu (vamos chamá lo de Dio) ele tem quase 15 agora e mês que vem vou fazer 13. Nós conversavamos bastante e viramos bastante amigos com o tempo.
Se passou um ano desde que nos conhecemos e começamos a nos afastar um pouco por que eu queria focar mais nos estudos já que era final de ano e ele só ficava brincando. Era quase semana das provas finais e o melhor amigo dele contou pra mim que Dio gastava de mim mas tinha vergonha de falar pois ele era mais velho. Eu obviamente não acreditei e deixei prá la.
Era um mês antes das provas finais e Dio se declarou pra mim e me pediu em namoro. Fiquei nervosa para o um caramba pois ele era meu melhor amigo e eu não sentia nada. Acabou que depois de uns minutos de eu morrendo por dentro para não querer ferir os sentimentos do meu amiguinho, ele acabou me dizendo que era troll. A partir dai ele sempre se declarava e dizia q era mentira e eu simplesmente não ligava.
Depois de uns dias que isso aconteceu tivemos uma conversa séria e ele finalmente falou que realmente gostava de mim só tinha vergonha de falar. Não sabia o que dizer então fui pedir um conselho para a minha melhor amiga(SPOILER: Essa foi a pior idéia que eu pude ter na minha vida). A irmã dessa minha amiga ia fazer uma festa de aniversario então resolvi ir já que ela me convidou e seria a oportunidade perfeita para pedir o conselho.
Chegando lá contei tudo para ela e o ótimo consrlho que a minha preciosa amiga falou foi:" ah aceita o guri em namoro logo! Ele gosta de você e vocês parecem ser bem próximos". Eu disse a ela que não sentia o mesmo e não me sentia nem um pouco preparada para namorar mas resolvi ouvir o que ela disse.
Cheguei em casa, aceitei o namoro. Ele era super fofo e gentil comigo apesar de ser um pevertido as vezes. Eu tava tentando gostar dele mas não deu certo. Assim que a semana de provas começou, eu disse pro Dio o que eu pensava e foi basicamente isso:" Olha, me descupa mas eu quero terminar. N ão me sinto confortavel e muito menos preparada para um relacionamento desses e quero terminar isso o mais rapido possivel para não nos machucarmos tanto.". Ele aparentemente aceitou tudo de boa e ficou fazendo um draminha(SPOILER: Éh obvio q ele não aceitou nada de boa ;_;)
Durante o resto de toda a semana, Dio ficou me flodando mensagens de amor e dizendo coisas como "você só está com vergonha por eu ser mais velho" ou "eu sei que você gostq de mim, mas não quer que seus pais saibam.". Fiquei irritada e pedi para ele parar vàrias vezes mas Dio só mandava mais e mais mensagens então eu resolvi bloquear ele. No início só estava com raiva mas depois de uns dias me senti cupada pois eu só alimentei aquela mentira e eu soube depois que ele reprovou de ano.
Ele era meu amigo e não aguentava o sentimento de culpa então resolvi desbloquear ele depois de uns 5 meses desde aquilo aconteceu e pedi desculpas. Disse que ele poderia me odiar e chingar o quanto quiser, mas ele acabou só dizendo que estava feliz que eu me importava e que ele poderia conversar comigo de novo.
No começo estava tudo TOP, mas foi passando o tempo e ele foi me mandando declarações e mensagens de amor de novo. Eu disse para ele parar, mas mesmo assim ele continuou apesar de ser bem menos. Eu já estava ficando com raiva de novo até chegar ontem que foi a gota d'agua.
Bom... Ontem nós estavamos conversando sobre irmão e tal até ele dizer que nós somos quase irmãos por conversamos tanto. Eu apenas falei que não tinha nada a ver pois só conversavamos sobre memes, jogos e as vezes animes, não tinhamos nenhum tipo de segredo e ele definitivamente não me conhece de verdade.
Dio insistiu em dizer que somos irmãos e já praticamos inc3st0 ano passado. Isso me deixou pistola já que só foi um namorinho de internet que durou literalmente uma semana. Até chegou o ponto em que fiz uma pergunta que seria "a prova de que ele é meu imão de verdade". Perguntei para ele qual é o meu maior sonho mas ele só respondeu coisas como " ser desenhista de hentai"(pois eu amo desenhar)," que eu queria fazer parte de um ecchi" ou que "ter um namorado de anime já que ninguém da vida real te agrada". Obviamente fiquei com ódio no coração e pedi para ele falar sério.
Dio ficou apenas enrolando falando coisas estranhas e susgestivas até eu ameaçar bloquear ele. Finalmente o guri parou de falar coisa estranha e começamos a falar sério de verdade. O meu sonho para mim é algo muito importante que eu quero realizar um dia então resolvi confiar nele para contar isso. O meu sonho é que (vou contar aqui mesmo pq ningurm me conhece ne) Eu AMO com todas as minhas forças música e o meu objetivo é um dia ser guitarrista profissional e entrar para uma banda. Ele simplismente leu a mesagem e disse que depois ia contar o sonho dele jà que esse era nosso acordo.
Se passou mais de 30 min e ele não falava até eu ameaçar de dar block de novo. Depois de tanto tempo ele contou que o sonho dele é " Estar abtaçado contigo em uma praia a observar um belo pôr do sol enquanto nosso cachorro corre na areia com os nossos filhos. Eu... Fiquei com ódio extremo e a minha vontade era de ir na casa dele e passar a faca no golfinho dele. Dio ficou falando que não sabia o motivo de eu estar com tanta raiva (mesmo eu tendo falado milhares de vezes que para ele para com aquilo). Apenas disse que està obvio o motivo de estar com raiva e até agora apenas visualizo as mesnsagens dele. Estou pensando em bloquea lo de todas minha redes sociais.
Entãaao.... Eu acho que na parte do namoro nós dois fomos babacas. Motivo: Eu por escutar um conselho idiota e iludir ele. Dio: Por mesmo sabendo que eu não sinto o mesmo, continuou falando coisas estranhas e tentando me convencer a gostar dele. E na segunda parte? Eu sou babaca por querer difinitovamente cortar todas as nossas relações ou ele é babaca por continuar falando coisas estranhas?
submitted by Ranmaaa to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.28 12:39 NayhAlmeida Sou babaca por não contar para minha família que estou a um ano morando fora do Brasil?

Olá galera, criei essa conta só para contar essa história. Desculpe os erros de português,estou muito nervosa e me sinto muito estranha contando isso.
Me chamo Nay, mas vou preservar minha família dessa exposição então não usarei os nomes deles. Nasci de uma gravidez indesejada, não convivo com meu pai e minha mãe me deixou com minha avó para viver com meu padrasto, pois na época ele exigiu que eu não existisse entre os dois, então eu morava com minha avó, meu avô, meu bisavô João e meu tio. Minha família é muito conservadora, é de interior de Minas e é muito fervorosa religiosamente, com isso eles sentiram muita raiva da minha mãe com isso tudo, na época meu tio tinha 15 anos e era o prodígio da família, pois iria ser padre, e meus avós faziam de tudo por ele até eu nascer e tomar toda essa atenção e cuidados, meu tio ficou muito irritado alguns primos falam que ele falava que eu estava dormindo quando pequena só para que as amigas da minha avó não fosse me visitar, o tempo passa eu já com 12 anos e meu tio foi "rejeitado" na escola dominical com decidiu fazer faculdade, mas meu bisavô decidiu em vez de ajudar ele nos custos e essas coisas, que teria prometido antes, ele me colocou em um Colégio particular bom da minha cidade, pagar cursos de pintura (que amo) e essas coisas, meu tio ficou com muita raiva de mim e quando todos não viam ele me batia e fazia com que tudo de errado da casa caísse sobre mim, exemplo quem quebrou isso? Deve ter sido a Nay, minha avó não gostava das minhas atitudes já que eu não ia a igreja com ela, detestava rezar o terço e isso piorava com o que meu tio fazia, meu bisavô morreu quando tinha 12 anos e então esse ano foi péssimo entrei em depressão, todos me acusavam de não dar valor o que meu bisavô fazia, por conta de não ir com ele na igreja, enfim repeti na escola por faltar, pois nem a aula queria ir emagreci, tentei coisas contra minha vida, mas minha avó achava isso frescura de adolescente querendo aparecer. Daí pra frente minha vida foi um inferno, comecei a trabalhar em um emprego de meio expediente depois das aulas, minha avó começou a exigir que eu pagasse contas da casa para ajudar, mas com tempo ela começou a exigir que eu pagasse a estadia, que se eu morasse ou estivesse em hotéis eu estaria pagando mais. Então eu pagava tudo com contas equivalentes que minha avo fazia, tipo conta 300 dividia por moradores e eu pagava minha parte.
Nota: ate meus 15 anos.
A mãe de uma amiga minha ficou mal com aquela situação que eu passava e perguntou se eu queria morar com ela em Belo Horizonte, juntei meu dinheiro e fui, minha família deu graças por não ter esse peso, meu tio na época morava sozinho com seu amigo no rio de janeiro já estava formado na faculdade e trabalhava lá.
Passada uma semana que estava em BH fiquei sabendo que a cidade toda estava de fofocas, principalmente nos eventos da igreja que minha avó ajudava, sobre minha família ter me "expulsado de casa", pois era assim que eles pensavam, fofoca ne, então minha avó começou a me ligar pedindo pra que voltasse que tudo iria mudar, mas eu já estava bem, trabalhava meio período, estudava e adorava ter paz quando chegasse em casa, minha avó começou a me chantagear falando que se eu não voltasse ela iria morrer e dramas dessa forma, que estava mal por não estar comigo. Então numa tentativa desesperada minha avó fingiu estar mal e pediu o médico que a internasse no hospital para fazer exames, já que ela estava muito mal, sim na minha cidade alguns médicos fazem TUDO que você pede se pagar. Então nessa hora meu tio me liga dizendo que se eu matasse minha avó ele iria ate no inferno me buscar, fez um escândalo com a mãe da minha amiga dizendo que eu fugi de casa, publicou isso em todas as redes sociais com minha foto, falando que eu era a pior pessoa do mundo pra minha família que minha avó estava doente por conta minha, detalhe que naquela época eu tinha no meu Facebook meu chefe e amigas de trabalho, então fui demitida em uma conversa estranha sobre eu ser uma pessoa melhor e voltar pra minha família, chorei muito e voltei. Quando cheguei minha avó estava em casa com a cara mais plena do mundo, falou que não sabia que meu tio fez aquilo, que ela não pediu isso e que ela nem estava tão mal assim, que não tinha culpa e eu voltei por quis, dai pra frente no natal e reuniões de família eu evitava meu tio, minha avó vê meu tio como o menino de ouro dela que nunca a decepcionou então para ela meu tio fez certo. Dai até os meus 18 anos trabalhei e estudei, pagava a minha moradia e não tinha amigos, pois para minha avó ninguém tem amigos e que amigo é só Deus, que todos me invejavam e essas coisas então minha avó arruinava minhas amizades falando e fazendo coisas e depois fingindo que não fez. Chamava minhas amigas de vagabundas quando eu não estava em casa para não me chamarem que eu não ia sair com aquele tipo de gente.
Então com 18 anos conheci meu ex ele morava em outra cidade no caso uma cidade universitária, ele estudava lá, mas ele nasceu na mesma cidade que eu então a gente se conheceu por isso, expliquei para ele como era minha família porque sei que não é fácil pensar isso deles já que são muito ligados a igreja e a família dele também, vou pular uma parte longa do começo do nosso namoro até ele descobrir os podres da minha avó pois não é o foco, enfim eu fui fazer faculdade na mesma cidade que ele, consegui auxilio alimentação da universidade e moradia então morava no campus e comia lá, era bem puxado pois fazia matemática e dividia quarto com mais 3 pessoas que nem conhecia, mas era necessário eu queria ter paz na vida, eu não entrei na faculdade por querer algo como me qualificar eu só queria sair de casa, minha família ficou orgulhosa por vários motivos, primeiro que meu ex era de "boa família", segundo que eu estava fazendo faculdade federal e então estava tudo ótimo para eles certo? Errado eles me cobravam constantemente pra terminar meu curso, quem é de exatas entende o quão tenso é você decorar 1 milhão de fórmulas e na hora da prova não saber qual é a primeira que irá usar e o branco vir, então no começo a adaptação é tensa, cobrava que eu casasse com meu ex no caso já estavamos com 2 anos de namoro e morávamos juntos nessa época, mas como disse eu e ele não ligavamos pra eles, eles me mandavam dinheiro através da conta do meu ex para que eu possa comer algo, era bem pouco mas ajudava sim não posso negar, pois comprava pão e leite, eu já ia para casa só nas férias e minha família continuava querer cobrar minha estadia quando ia, exemplo: você ficou 10 dias, então com a luz, água e x o valor fica xx, eu achava isso um absurdo, pois eu ia só para visitar minha família (obs.: minha mãe separou do meu padrasto e teve minha irmã com isso as duas foram morar com meus avós, então eu ia para ver ela) Mas com o tempo passei a ir só no natal e voltava antes do ano novo, então não dava tempo de se meterem na minha vida, o tempo passou e meu namoro já tinha virado mais amizade que amor, então decidimos separar, mas não falamos para minha família logo, ja que na visão da minha avó eu não consigo me virar sozinha sem meu ex, e nenhum homem será bom que nem ele, então mantivemos essa mentira por um tempo e quando contei minha família achou que seria uma fase e que a gente voltaria logo, sendo que já tínhamos superado e já tínhamos ficado com outras pessoas, passa o tempo e em 2019 decidi que iria viajar, queria a muito tempo, mas meu ex não programava falava sempre um dia e um dia, mas acabava que nunca chegava esse dia, então decidi mesmo que minha família brigue por viajar sozinha eu iria, tinha juntando dinheiro e queria viajar para fora do Brasil. Em outubro de 2019 eu conheci meu atual pelas redes socias, iria viajar no ano novo decidi que seria para Portugal e então comecei a olhar as coisas do país, onde ficar e com isso acabei falando com ele, ficamos íntimos muito rápido e na primeira semana falávamos de tudo um com outro, conversa vai e vem e eu decidi que iríamos nos ver assim que eu chegasse. Mas com o tempo essa paixonite ficou mais séria e eu e ele só pensavamos o que fazer quando eu voltasse pro Brasil e ficasse longe, porque pra mim uma viagem dessa seria de 5 em 5 anos, e ele é militar acaba que não tem tempo também para viajar, então decidimos com ele que eu iria ficar lá com ele (não foi assim do nada foi pensado e seria um teste se desse errado eu voltava), mas sim faltava 3 meses para isso, então eu arrumei as coisas, resolvi questões já que morava sozinha então tinha coisas a fazer e resolvi que faltando 1 semana pra ir eu iria para minha cidade falar com minha família sobre isso, pois não daria tempo deles tentarem arruinar esse meu desejo e eu queria que fosse algo leve que eu explicasse que eu teria dinheiro e se eu quisesse voltar eu voltava, mas quando cheguei em casa a minha avó mandou eu fazer comida, pois não tinha comida para mim lá e que eu podia fazer mas reclamou e reclamou que eu não estava com meu ex e falava pra eu dar orgulho para ela, eu travei e não consegui falar, enfim viajei, pedi conselhos ao meu ex, pois ele mais que nunca sabia como era isso tudo e ele disse que assim que eu arrumasse emprego em Portugal, mostrasse que estava aqui, explicava tudo e falava que estava bem e trabalhando e no caso até poderia mandar dinheiro pra ajudar eles (algo que eles iriam ficar "orgulhosos"). Mas o destino meus amigos, o coronga entrou em ação quase 1 mês depois que estava aqui e ficou impossível de conseguir emprego, minha avó começou a não gostar deu estar sozinha no Brasil e então comecei a mentir falando que estava com amigas e que estava bem, meu tio começou a jogar umas indiretas sobre eu não estar em casa já que eu não fazia mais vídeos chamadas com minha avó, e minha avó falava em voltar sempre com meu ex, eu não consegui falar, pensei que conseguiria ficar com visto de trabalho e que com isso eles não poderiam sei la fazer algo para que eu voltasse para o Brasil, fora que meus sogros já acham estranho essa história de se conhecer pela internet do meu namorado e eu, então pensava que meu tio poderia achar nas minhas redes sócias meu sogro e inventar coisas e piorar meu relacionamento com eles, eu sou extremamente feliz com meu namorado, não sinto o peso da família sobre isso, podemos fazer o que quiser, voltei com meus cachos coisa que minha família detestava e nunca deixava que eu voltasse, ele me apoia e sinto que foi a melhor coisa que fiz é ter dado essa chance pra nós dois. Minha avó detestou que voltasse que os meu cachos mas meu namorado me apoio muito nisso. Minha avó gravou um áudio chorando falando que estraguei meu cabelo que minha mãe e ela viram meu cabelo na foto de perfil do whats que a mesma daqui e que estou péssima devo estar louca terminei meu namoro e agora isso que só faço desgosto e coisas do tipo, respondi com: eu estou linda me amo assim lide com isso. Minha avó de vez em quando manda dinheiro pra mim como presente, ja disse que não preciso, pois vejo que assim ela acha que eu tenho obrigações com ela, mas ela mansa pois sabe minha conta do banco e sempre me convence fala do a compra uma blusinha pra você e talz foi fulana que mandou (no caso fala que o dinheiro é presente de primos, madrinhas meu avô). Em Dezembro desse ano ira fazer um ano que vou estar aqui, pensei que em novembro poderia falar com minha família que iria viajar em Dezembro e fingir que esse meu 1 ano não existiu já que quase não fiz nada aqui por conta do coronga e até lá eu iria tentar me regularizar no país, então não teria a possibilidade deles fazerem algo contra, ao mesmo tempo tenho vontade de falar que já estou aqui quando eles me ligam e tirar esse peso, mas sei que as consequências podem ser muito piores e já que eu aguentei ate agora eu aguento até dezembro. Minha avo me liga regulamente e não sabe do meu atual relacionamento fico mal, mesmo sabendo que se eu apresentar meu atual ela não ira gostar dele da mesma forma que meu ex, por conta dela exigir essa coisa de boa família, eu queria que ela visse o quanto ele me faz bem e como sou muito mais muito feliz com ele.
Eae gente sou babaca de não falar que estou aqui em Portugal para minha avó e família?
Ps.: é irrelevante, mas meu tio é gay, esse amigo dele é marido dele, ele "esconde" isso da minha família, eles tem casa juntos, compraram carro juntos, tem dois dogs juntos, mas contam para todos que são amigos,quando outros familiares falam que acham isso estranho minha avó e minha mãe, ameaçam todos falando que é difamação e que eles vão ter que provar judicialmente. Para minha família isso seria algo horrível, não gosto do meu tio acho ele falso e dissimulado, mas fico mal por minha avó não aceitar ele e mesmo eu sendo heterossexual tenho amigos gays, bi etc... e minha avó não aceita o fato de ter "colegas" (já que pra ela não tenho amigas) bi e lésbicas, pois vão pensar mal de mim e elas só querem me levar para esse caminho do mal.
submitted by NayhAlmeida to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.08 02:04 dudinha_gameplays Nice guy, novela mexicana, "depressão", possível manipulação e tudo o que há de ruim (longo)

Olá lubinha, galerinha do tutube, falecidos papelões, gatos lindos, edição e pessoas que estão vendo, vou contar uma história que aconteceu no começo desse ano.
Detalhe: sou molier okay akskskskskksksmsms.
Eu sempre fui muito timida, então esse ano eu quis fazer diferente. Eu vi um mlk sentado num canto da sala sozinho e eu pensei "hmmmmm MEU NOVO AMIGO", ai eu fui falar com ele e tals, a conversa tava normal como qualquer outra de dois seres humanos interagindo. Até que ele começou a contar sobre as decepções amorosas dele, dizendo que ele sempre se aproximava de alguma menina e ela ficava "estranha com ele" do nada (GUARDEM ISSO). De boa ate ai, passei meu número pra ele pra gente conversar. Aí quando eu chego em casa o cara tinha enchido meu celular de mensagem, todas falando mais ou menos: "Oi tudo bem??? ❤❤❤Como vc ta? Comeu bem????????? DORMIU BEM? CHEGOU BEM EM CASA??? ❤❤❤❤❤❤❤❤ TE AMO TA ❤❤❤❤❤" (Não foram exatamente essas palavras que ele usou mas foi quase isso) Aí de boa, achei estranho porem permaneci respondendo normalmente. Detalhe: só fazia um dia q a gente se conhecia e ele ja tava desse jeito. Outro detalhe: sempre que eu passava e ele tava com alguma menina ele não olhava e nem falava comigo. OUTRO DETALHE IMPORTANTE: teve uma vez que eu desabafei com ele sobre meu namorado, pq ele tinha feito merda, e ele me aconselhou (guardem).
No outro dia ele começou a dizer que gostava de mim (vamos chama-lo de Jonson, ou Carls como preferir) eu nessa época namorava e disse não, daí ele começou a fazer MUITO drama (queria ter os prints porem apaguei em prol da minha saúde mental), dizendo uns negoço tipo "esse vai ser outro ano triste pra mim" e disse q teve q deitar no chão de tanta "dor" (lembram q eu disse q ele só me conhecia a um dia?).
Um dia depois de ter falado que me amava e me pedido em namoro ele disse que gostava de outra menina, "ele ta tentando seguir em frente" foi oq eu pensei. No dia seguinte, ele falou que essa menina tava "estranha" com ele, e percebi q ela nem tava mais falando com ele, aparentemente jonson tinha sido rejeitado, um tempo depois a gente tava conversando e ele no MESMO dia por mensagem, quando a aula tinha acabado, voltou a dizer que gostava de mim. Detalhe: depois descobri q essa menina tinha realmente rejeitado ele.
Enfim, continuamos a conversar de boa no outro dia, e ele começou a apontar umas coisas em mim dizendo q meu braço era muito fino, ficava zoando que eu era magra, e dizia pra eu raspar os pelos do braço, com aquele tom de ofender mesmo sabe, eu até vi ele falando pra menina que tinha rejeitado ele: "ecaaaaa, depila esse suvaco", mas ele falava num tom de ofensa, eu até vi q ela tava meio sem graça. Parecia até que ele tava tentando abaixar a nossa auto estima.
O Jonson tinha uma cara meio de assustado sabe, os olhos bonitos porem muito fundos, e parecia que tava sempre em conflitos mentais. Aí num belo dia, ele pediu pra me acompanhar até em casa, e eu aceitei. Quando a gente tava saindo eu encontrei meu namorado, e a gente ficou conversando, nisso acabei perdendo o Jonson de vista, ai eu acabei indo com meu namorado. Quando eu cheguei em casa tinha umonte de áudio do jonson com uma voz bem cansada, e ele parecia estar forçando uma voz de choro, e ficou dizendo: "nossa duda eu te aconselhei e voce faz isso comigo, eu fiquei la te esperando e vc foi embora logo com o menino q eu mais odeio"(meu namorado no caso, jonson "odiava" ele por causa da merda q ele tinha feito) Detalhe: eu vi ele indo embora sem ter me esperado como disse no áudio, mas n comentei. Desde então ele ficou usando o motivo de ter me aconselhado, o tempo todo pra sempre q eu fizesse "merda".
Teve um dia que a gente tava na escola e a professora pediu pra fazer dupla, aí eu fiz com uma amiga minha e ele chegou dizendo "mano eu pensei que vc ia fazer dupla comigo, eu te aconselhei e vc nem pra fazer comigo, que ótima amiga vc é", eu nem respondi mas fiquei com raiva quando ele disse isso.
Teve outro dia que eu tava meio mal na sala e uma amiga minha tava me ajudando a melhorar, e naquele dia eu n falei com o jonson pq eu n tava bem, e quando eu cheguei em casa la estava ele "vc nem ta falando mais direito comigo e eu n sei pq, eu acho que a farls (minha amiga) falou alguma coisa de mim pra vc"
E no outro dia eu fiz dulpa com ele, tentei falar com ele, puxava assunto e o cara tava muito seco. Eu até lembro que na aula vaga ele tava falando com uma menina e eu cheguei pra conversar tbm e ele me ignorava completamente.
Quarentena chegou
A gente parou de conversar, ele não me chamava no zap, e eu também não. Então eu iludida achando q a quarentena ia acabar logo, resolvi fazer os trabalhos de escola e tinha um específico q envolvia ele. Eu o chamei e pedi para que escrevesse logo a parte dele. Quando eu fui ver oq o cara tinha falado, la estava ele novamente: "nossa duda vcs estão ai fazendo o trabalho e nem falaram pra mim (eu tinha falado na CATAPIMBA DA MENSAGEM) eu te dei um conselho, fiquei la quando vc tava mal. Vcs fizeram umonte de coisa do trabalho (eu tinha acabado de começar) e só vem me avisar agora, não da nem pra te considerar melhor amiga (Eu nunca disse q ele era meu melhor amigo, A GENTE NEM CONVERSAVA MAIS MANO O QUE QUE AQUELE MLK TINHA NA CABEÇA) pedi mais uma vez pra ele fazer mas ele continuou o drama e eu falei que tiraria ele do grupo ja que n iria fazer. E continuou o drama, ele ficou dizendo que iria fazer mas eu o tirei do grupo (mano ele tava reclamando que eu n tinha avisado antes, ele claramente n ia fazer). Aquele foi meu máximo, ele sempre arrumava uma razão pra começar uma puta novela dramática de romance mexicana, eu surtei e xinguei ele para uma caralhita, xinguei MUITO mesmo, e depois bloqueei. No outro dia fui falar com minha amiga (chamaremos de Margaret) sobre o trabalho e ela falou "mano eu ja tinha falado pro jonson fazer o trabalho mas ele disse q não iria mais".
Minha mãe tinha o número dele e ficou sabendo da nossa briga, ela disse "O jonson falou que vc tirou ele do grupo sem nem dizer pq, e depois bloqueou, pq vc fez isso?"
Resumindo: ele disse pra uma pessoa que não queria fazer o trabalho, disse pra mim que eu não tinha o avisado antes (sendo q quando montamos o grupo ele sabia oq fazer) e pra minha mãe ele falou que não sabia o porque de eu ter tirado ele.
Mas a história continua, dessa vez com a margaret que ainda tinha contato com ele dizendo "mano eu postei a foto de uma amiga minha nos status e o jonson pediu o número dela, aí eles ficaram conversando e no primeiro dia ele tava bem legal com ela e no dia seguinte tava fazendo muito drama dizendo q ela n falava mais com ele (sabe aqueles nice guy q vê q a pessoa ainda n respondeu e começa a dizer q ela ta ignorando e fica enchendo o saco? Então) e transformou a vida dela num inferno, ficou mandando umonte de mensagem fazendo drama, aí depois ele veio dizer pra mim q ela tava estranha com ele"
Detalhe q não contei: ele dizia que tinha depressão, mas ele nunca confirmou isso (nunca foi em psicólogo então não acredito muito, mas eu percebi q ele era muito dramático e carente)
Eu só quero que digam se eu fui babaca de ter xingado ele, ou se eu só exagerei, pq eu até hoje n sei se ele é assim de propósito ou pela "depressão" e tals. Espero que tenham gostado dessa história. Bye galerita lindita, lavem as mãos e cuidem dos animais, plantem árvores e não sejam um nice guy❤.
View Poll
submitted by dudinha_gameplays to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 05:36 SebastianOfWeb Eu sou o babaca por ter mentido para meu amigo sobre sua crush e ter "destruído" nossa amizade para sempre?

Olá Luba, editores, possível convidado virtual (fiquem em casa), gatas e turma que está a ler. Pois bem, meus amigos acabaram me convencendo a publicar essa história. Perdão por possíveis erros (os nomes foram alterados para evitar problemas).
Então, já vai fazer dez meses que isso aconteceu. No meio do ano letivo, comecei a gostar desse garoto (chamarei ele de Ricardo) após ter terminado um breve namoro que tive uns meses antes, que apesar de pouco duradouro, me marcou e por isso fiquei devastado com o término. Eu, todo confuso com meus sentimentos, tentei buscar conselhos com a minha amiga Karen, que de início ao saber que eu gostava daquele menino, me apoiou e disse que tentaria dar um jeito nessa situação. Uns dias se passaram, e ela veio me contar de um tal plano que havia criado para que eu ficasse com ele (aqui onde o caos começa). Basicamente, o plano consistia em ela convidar o Ricardo para ir ao cinema para que eles pudessem ficar (detalhe importante: ele tinha um crush supremo em Karen, e ela sabendo disso, se aproveitou para montar o esquema), mas com um detalhe, eu iria junto com eles para "ficar de vela", e na hora que estivesse no total escuro, eu trocaria de lugar com ela e as coisas rolariam. Um plano HORRÍVEL, qualquer um pensaria ao ouvir, assim como eu pensei. Se fosse pra eu fazer algo do tipo, nem daria certo, e eu não gostaria de enganar ele, até porque era meu amigo e eu não era um monstro pra fazer isso (nota: ele é hétero). Então pensei: melhor passar vontade e continuar íntegro do que enganar ele e arriscar de perder a amizade que tenho com ele. Um tempo se passou e minha mente já não era a mesma. Eu estava muito confuso e sem saber o que pensar sobre meus sentimentos. E a Karen insistiu dizendo que o plano daria certo, e que era pra eu ir em frente. Desesperado, cheguei no Ricardo e disse:
- Cara, sabe a Karen? Então, ela quer ficar com você.
Assim que eu terminei de falar isso, e ele abriu um largo sorriso no rosto, eu me arrependi na hora. Pensei em soltar um: "é brincadeira" ou coisa do tipo, mas fiquei paralisado. Depois de alguns dias, eu tomei coragem e resolvi desmentir tudo. Quando eu disse que ela não queria ficar com ele, Ricardo ficou arrasado, pois afinal, era a menina que ele mais gostava. Pelo menos, não mentiria mais pra ele. No momento em que Karen soube que eu havia acabado com os planos dela, ela resolveu ir até ele e contar que eu gostava dele. Contou o plano como se EU tivesse elaborado ele. No mesmo dia, ele já nem interagia comigo. Quando eu estendia minha mão pra ele, ficava no vácuo como se eu nem existisse. A partir dali as ofensas e xingamentos começaram.
Segundo ele, eu não tinha autorização de CITAR o nome ele. Tentei explicar toda a história pra ele, mas ele não ouviu e tudo que eu ganhei em troca foi block em todas as redes sociais e no número do celular e agressões físicas e verbais. Quando eu estava perto dele, ele fazia questão de ir para o mais longe possível. Piadas sobre minha sexualidade e coisas do gênero foram de certa forma frequentes. Alguns amigos meus deixaram de ser meus amigos e se juntaram a panelinha dele (não duvido que eu esteja mal falado na cidade por conta da história mal contada). Lembro em específico da vez que ele me empurrou no chão com tudo na frente de toda a turma e ninguém fez nada a respeito. Na viagem de formatura, ele fez comentários homofóbicos que destruíram o que era pra ser o fim de semana perfeito com meus amigos. Até que no Natal, pedi pra gente conversar sobre isso para resolver a situação, afinal, odeio brigas e queria a amizade dele de volta. Foi ai que eu recebi um texto de sessenta linhas que, em resumo, dizia que o único culpado pelo fim da amizade fui eu, disse que não queria ser meu colega, muito menos meu amigo, e depois de reafirmar duas vezes que não tinha problemas com minha sexualidade, disse que eu destruí a vida dele, quebrei a confiança, o enganei, e que era pra eu manter distância, até porque eu seria bloqueado em tudo que é lugar. (obs: ele afirmou ter PERDOADO a Karen, pois não havia como ficar brigado com ela) Me desejou um bom fim de ano e nunca mais tivemos contato direto. Depois de meses, trocamos farpas no twitter, mesmo bloqueado, ele ficava sabendo dos tweets por conta da panelinha dele. Ele falou que eu não supero o passado, e em partes concordo com isso, porque o fim dessa amizade me destruiu. Hoje estamos em escolas diferentes e sem qualquer tipo de vínculo.
Então eu te pergunto, eu sou o babaca da história?
(Se essa história for selecionada, pode manter meu nome, até pq ele é fictício também)
View Poll
submitted by SebastianOfWeb to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.22 18:15 dentinho_top Sou babaca por preferir morar com minha irmã e odiar minha mãe?

Bem vou falar um pouco de antigamente para criar o contexto ok. Moramos eu, meu pai, minha mãe e minha irmã tudo junto, e minha mãe sempre briga com nós (claro qe as vezes é normal mas as vezes nao) ela acaba brigando com nós por motivos bobos e as vezes até sem nada ter acontecido, quando isso chega a um nível de ter qe chamar minha vó (mãe dela) é não estamos conseguindo acalmar ela, sempre quando chamamos minha vó para ve se consegue acalmar ela minha vó simplesmente passa a mão na cabeça dela falando qe ela está certa e tals. Como minha vó fez isso a vida inteira minha mãe acabou ficando "mimada" no quesito de "eu quero isso é ponto final" e as vezes é difícil de viver junto dela pq não podemos fazer nada qe queremos sem ela tbm querer.
(Isso foi na segunda a tarde)Bem agora qe contei um pouco vou começar a falar, como ja disse moramos tudo juntos e so trabalha meu pai e minha irmã, minha irmã tem 20 anos e trabalha em uma empresa de frango, la ela conheceu um rapaz e foram se conhecendo e tals até eles criarem um laço de amor, eles começaram a namorar escondido (até pq minha mãe nunca aceitou nenhum namorado da minha irmã mesmo ela ja sendo de maior) então eles foram namorando e um dia eles descuidaram naquela hora e tals e parece qe ela está grávida, então o menino foi em casa se apresentou, falou onde trabalha, fez faculdade e o mais importante falou qe ama minha irmã e quer assumir a criança. Meu pai concordou aceitou o namoro e falou que se precisar de ajuda ele está aqui, minha mãe tbm aceitou na hora mas ficou falando que esta a decepcionada com minha irmã (até que por um lado eu concordo por ela ficar assim pq deve ser um baita de susto descobrir) quando o menino foi embora e meu pai foi trabalhar descidimos ir na casa da minha vó (mãe dela) quando estávamos chegando la minha mãe simplesmente mudou de jeito e começou a falar novamente qe estava decepcionada, perguntava pq não tinha contado, se ela era um monstro e tals. Quando chegamos na casa da minha vó ela começou a chorar falando qe minha irmã tinha feito burrada qe ela ia parar de estudar (em nenhum momento minha irmã falou isso) qe essa criança ia ser uma aberração e mais um monte de baboseiras, minha vó como sempre passou a mão na cabeça e conseguiu acalmar ela e depois de um tempo nos três fomos embora, chegando em casa ela virou de face de calma ela virou para brava, ela começo começo fazer as mesmas perguntas novamente começou começou querer bater na minha irmã e até tentou se matar, nessa hora eu liguei para minha vó para nós ajudar então desceu ela minha tia e meu tio para ajudar, quando chegaram aqui ela fingiu que estava com as coisas no corpo falava que nós tínhamos machucado ela qe ela ia se matar, daí todo mundo tentou ajudar ela a se levantar mas ela não se ajudava e ficava se jogando no chão ou ficava enfrentando minha tia (sendo qe a mesma tem pavil curto) até que em um momento de briga briga elas começaram a se bater e tivemos que tentar separar, com esse briga briga minha tia e meu tio foram embora por causa da raiva deixando apenas minha vo, minha mãe fazendo o seu Teatro igual como faz sempre fingiu que tomou um remédio falando que ia se matar, como ela ja fingiu fazer isso várias vezes nem nos importamos, minha vó subiu para a casa dela e tivemos qe entrar. Eu e minha urma dormimos no mesmo quarto então estávamos juntas, minha mãe foi no nosso quarto fingiu estar grogue(realmente tava para perceber qe era fingimento) e depois de tava falacao ela foi sentou na cama da minha irmã e simplesmente começou a apertar a barrigada da minha irmã para ela perde a criança, quando ela apertava minha mãe falava assim "-Você vai perde essa criança e não vai precisar casar com aquele cara", minha irmã percebendo a situação tentou se defender e eu tive que intervir no meio(o que não adiantou nada ja que ela tem 80kg e eu simplesmente tenho 14 anos e uns 54kg) então minha irmã simplesmente gritou falando para eu ir na vizinha pedir ajuda, e eu fui correndo pedir ajuda, quando os vizinhos me atenderam foram até minhba casa e tiraram minha irmã de lá, eu levei ela até na casa da minha vó pedindo ajuda pois minha irmã chorava de dor na barriga, enquanto os vizinhos ficaram na casa com minha mãe. Quando chegamos na casa da minha vó meus tios levaram ela pro hospital e fiquei com meus avôs, até que não demorou muito ela chegou irritada me chamando para ir embora, eu apavorada falava qe não e meus avós tentava acalmar ela é me acalmar, não demorou muito e minha irmã chegou um pouco mais calma junto com meus tios, e minha mãe ja foi logo de unha e dente reclamar pq levaram ela pro hospital e novamente eles começaram a brigar, meu avô tem asma e começou a passar mal e eu tive qe ajudar ele a fazer inalação ou se não teríamos qe ir no hospital novamente, quando finalmente ela desceu embora minha vó arrumou um colchão para nós dormir ja qe era uma base de 10 da noite, mas quando pensávamos qe tudo tinha acabado estávamos erradas pq novamente ela subiu falando para irmos embora se não iríamos chamar o meu pai (o mesmo ja sabia de tudo mas não podia ir la ja que estava na roça) quando falávamos que não íamos ela saía e descia embora é não demorava 20minutos ela voltava falando a mesma coisa, ela fez isso umas 4 vezes e falava a mesma coisa, até qe resolvemos ir pq se não meu vô novamente iria passar mal, quando chegamos fomos para nosso quarto e ficamos juntas, minha mãe ao invés de se acalmar não ela começou a preprarar um monte de chá abortivo para minha irmã tomar, eu queria muito pode intervir mas não podia fazer nada então eu via minha irmã tomando contra sua vontade e vomitando, quando ela tomou tudo nesse meio tempo ja era umas 04 da manhã e meu pai ainda não tinha chegado, não dormimos por medo dela fazer algo a mais e esperamos meu pai chegar. Quando foi 06 da manhã meu pai chegou e foi tomar banho ( ele ja sabia oq tinha acontecido ja qe eu avisei ele) então como ja estava amanhecendo minha mãe faoou para minha irmã se arrumar para ir no hospital fazer o teste de gravidez, então nos arrumamos e fomos nos quatro, quando chegamos eu e meu pai ficamos no carro(ja que estávamos sem máscara) e as duas foram, assim qe elas sumiram de vista contei tudo para meu pai e ele apoiou nos e falou qe se ela não mudasse o jeito de pensar ela ficaria sem ninguém. Quando elas voltaram fomos para a casa é novamente fomos para o quarto, meu pai foi no banheiro e minha mãe achando que ele tinha saído entrou no quarto com um pau de vassoura e fechou nosso quarto(nossa porta não tranca então ela so enconstou) ela foi seca para bater na minha irmã e eu falava assim "-para que esse pau mãe? Pra que vc trouxe o pau?" Para alertar meu pai e nos ajudar, então quando minha mãe deu a primeira paulada na minha irmã meu pai entrou no quarto e entrou na frente (ele nunca bateu na minha mãe apenas entra na frente e deixa ela bater nele) então minha irmã com medo resolveu arrumar suas coisas, ela pegou sua cobertar e abriu ela é colocou um monte de roupas, amarramos ela e fomos pegar suas bolsas, meu pai conseguiu tirar ela até na sala oq foi bom ja que podíamos sair do quarto, minha irmã então olhou para meu pai e pediu chorando se podia sair de casa, meu pai simplesmente falou um sim, então foi eu e minha irmã com as roupas, subimos na casa da minha vó mas nos escondemos na casa da vizinha (na qual ela nunca saberia) a vizinha na hora deixou nos entrar e nos acalmou. Não demorou muito e minha mãe apareceu na casa da minha vó procurando nós é começou a xingar, gritar, brigar e foi literalmente o dia inteiro assim quando não brigava na casa da minha vó ia na casa do menino xingar ele. No outro dia(quarta-feira dia 20 agora) fomos na casa da minha vó pois como yenho 14 anos sou de menor e minha mãe tinha chamado o Conselho tutelar, comemos um pouco e fomos para o Conselho, quando chegamos estava minha mãe e meu pai e sentamos eu minha irmã e minha vó, começamos a discutir e a falar e no final não resolveu em nada. Então fomos embora, chegando la na casa da minha vó novamente deu a briga e meu vô a passar mal, eu simplesmente comecei a gritar com minha mãe pois meu vô começou a chorar ( e eu nunca vi ele chorar e isso realmente fez meus nervos subirem em um nível qe eu nunca vi) enquanto eu afastava ela do meu vô minha tia insistia nele ir no médico ver a pressão dele e a diabete dele. Até que ele aceitou e foi meu tio eu minha irmã e ele. Quando chegamos la ele novamente chorou enquanto média a pessao e a diabete dele, sua pressão não estava muito alta mas sua diabete estava a 290 (um nível muito alto mesmo), quando voltamos ela ainjda estava la brigando, e quando ela viu como estava a diabete do meu vô começou a falar que era por causa de bala( meu vô chupa e tals mas ele sabe quando pode e quando não pode) em momento nenhum ela pensou qe ela estava matando meu vô aos poucos. Até que por um milagre ela conseguiu se acalmar e tudo acalmou então almoçamos(menos ela) e descansamos, mas ela continuava a fala para irmos embora é tivemos que ir. Chegando la ela ficava perguntando aonde tínhamos dormido e eu falava que foi na casa de uma amiga chamada Júlia de outra cidade (ja qe eu não podia falar que foi na vizinha se não iria ser pior) e ela passou o dia inteiro fazendo as mesmas perguntas, chorando ou fingindo, pegou meu celular e ligou para um monte de Júlia até que em um momento ela bebeu veneno que fica na dispensa do meu pai e começou a falar qe estava com dor de cabeça. Então preocupadas tivemos qe chamar minhha tia para levar ela pro hospital ja que meu país estava trabalhando a noite. Chegamos la apareceu todo mundo meus avós, minha tias e meus tios, ela chegou ficou la até na Quinta feira dia 21, eu e minha irmã dormimos na casa da minha vó e quando acordamos ela ja estava la, aparentemente mais calma, então nos almoçamos depois e descemos em casa, ela estava mais calma e fingia qe não se lembrava de nada, chegou a noite e eu resolvi não dormi ja que eu tinha medo dessa "onda de calmaria" passase e ela tentasse fazer algo novamente, então eu e minha irmã revezamos o sono, eu fiquei até umas 03 da manhã eh minha irmã o resto. E aqui estou na sexta feira com ela um pouco calma mas esperta ainda, minha irmã está com marca roxa na barriga e eu saí sem marca roxa mas meu psicológico está totalmente acabado, estou com medo de dormi aqui em casa e com medo dela, sei que tudo bem ela ficar magoada por causa do namoro mas acho qe ela não tinha capacidade de fazer oq ela fez.
Então, eu sou babaca por preferir morar com minha irmã(se ela me convidar) e ter ódio da minha mãe por ela ser assim tão mimada a um nível qe ela irá ficar sozinha?
¤desculpe se ficou grande é pq foi literalmente 4 dias acontecendo isso e eu precisava saber. Se vcs quiserem que eu continue informando vcs me falem pois eu ainda acho que essa calmaria dela vai ter um fim e irá começar novamente a mesma coisa...¤
submitted by dentinho_top to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.16 15:56 dxdtlucas Gay

Preciso de um conselho.Podem falar o que acham, me chamar de burro, sei que fui e estou sendo, mas preciso ouvir a verdade. Ensino Fundamental Sempre gostei de meninos.Desde a infância sabia que tinha algo de diferente.No ensino fundamental, sempre fui muito tímido, então para não andar só, pagava lanche para amigos, mas mesmo assim era maltratado e acabava só.Tentava contatos por facebook, mas nunca dava certo.Tentei suicídio aos 15, por conta dos problemas familiares e pessoas pelo os quais estava passando. Ensino Médio Já no ensino médio, com a pressão do vestibular, não tinha tanto tempo para isso, então resolvi tentar esquecer, mas não funcionou.Sempre fui zoado, e p padrão de estar só continuou a se repetir.Ainda não tinha ficado com ninguém. Faculdade Aos 17, passei na usp, uma boa faculdade, então tentei mudar, encontrar alguém, mas parece que escolhi o lugar errado: aplicativos de relacionamento. Daniel Acabei ficando com um homem ao qual não conhecia às 3 da manhã em um carro na cidade onde estudava, pois como estava longe da família, tinha esta liberdade.No outro dia fui novamente, esperando algo a mais, mas foi péssimo.Fui bloqueado.O que foi bom, pois podia ter sido roubado, ou até algo pior.Ele tinha 32, descobri que havia mentido o seu nome para mim, mas deixei esta relação para lá. Ian Encontrei ele através do facebook, foi carinhoso, e cursava a mesma faculdade que eu, porém em são paulo.Decidi então, cancelar a matrícula e ir atrás dele.Foi a pior decisão que tomei: ficamos 2 meses, fui traído e bloqueado novamente. Recomeço Ao me ver ser nada, decidi estudar sozinho para passar no curso de Engenharia Naval, o qual faço hoje. Bruno Ao decorrer do ano, o conheci em outro aplicativo.No início foi tudo bom, mas depois, por eu não querer fazer vídeos chamadas ou mandar áudios, dizia que eu era um Fake, fui humilhado quando tentava reatar, mas no fim, ele encontrou outra pessoa.Tem 25 anos. Douglas Encontrei ele meses depois, no mesmo aplicativo.Nunca o esqueci, pois disse que me respeitaria de todas as maneiras, mesmo não durando uma semana, alegou que eu o estava traindo e se desfez de mim.Esses dias, enviei uma solicitação, fui totalmente ignorado.Tinha 24 anos. Pietro O que eu mais gostei.Ele morava em uma cidade perto, quando me ligou pela primeirq vez, cheguei a gelar, era carinhoso e muito bom comigo.Nos encontramos e fui pedido em namoro.Mas algum tempo depois, ele começou a se afastar, e vi no celular dele, varios aplicativis baixados de relacionamento.Entendi o motivo e me afastei.Tinha 24 anos. Samuel Passei em Medicina esse ano, após alguns anos tentando.Estava de passagem em um aplicativo, e ele disse que morava em Goiás e vinha fazer um mestrado em minha faculdade, pareceu mentira algo assim ocorrer, mas decidi acreditar.Era verdade.Ele me contou sua história e eu a minha, nos entendemos.Na recepção da faculdade, não fui para poder sair com ele, me cobrava o pedido de namoro, mesmo eu dizendo que tudo deveria ocorrer com calma.Passou-se 1 mês, no dia 9 ele voltou de sua cidade, tinhamos planos de morar juntos, mas olhei o celular dele, e tinha um aplicativo de sexo, fiquei chateado, mas não demonstrei no momento.A noite entrei neste aplicativo e era ele mesmo.Tentou se desculpar e aceitei.Mas depois disso, nada deu certo, pois a confiança que era a base de tudo acabou.Nos falamos as vezes, ele pegou herpes labial, causado por um vírus sem cura. talvez de pessoas que ele tenha ficado enquanto estava comigo, passei um perigo sem saber. Recomeço Hoje, 16 de maio de 2020, acordei triste e achei o Reddit e decidi escrever este desabafo.Se você leu até aqui, muito obrigado!Sempre tomei antidepressivos e estou conseguindo parar, agora as 11:00 vou voltar a estudar, estou tentando pesquisar sobre auto-conhecimento, têm me ajudado bastante.Decidi parar de ir atrás do passado, pois até hoje, nunca deu nada certo quando fiz isso.Estou um pouco perdido.
submitted by dxdtlucas to desabafos [link] [comments]


2017.09.25 21:45 botafora01 Sinto que a minha vida já está traçada

Desde já peço desculpas pela muralha e pelo throw away
OK, desde o Ensino Médio eu sofria com algo que eu imagino 90% do Reddit sofreu: não conseguia pegar sequer resfriado. Era extremamente zoado pela sala toda por isso (meus amigos até hoje dizem que eu sou o único da turma que nenhuma mulher chegou), cheguei até a apanhar por isso. Só fui perder meu BV no meu ano de calouro na faculdade e a minha virgindade quando fui num bordel. Eu ficava triste com isso, mas também estava esperançoso: afinal, era um adolescente, estava entrando na faculdade, e todos sempre me louvavam por, segundo eles, eu ser muito inteligente. A menina que eu gostava na época, e que até hoje é uma amiga (e que eu passei a maior vergonha da minha vida, ao me declarar pelo fucking MSN), vivia brincando dizendo "O nerd de hoje é o cara rico de amanhã". Boas memórias.
Chegou 2013, e eu entrei na faculdade. Não fui maravilhosamente bem no ENEM, mas consegui uma bolsa integral em Administração em uma bela universidade. Escolhi Adm por pensar que o mercado estava bom e por ser noturna, o que me permitiria trabalhar. Nesse período, perdi meu BV e fiquei com outra menina uma vez, num espaço de 9 meses. Pra mim, isso era o ápice, eu era o deus da conquista, mesmo que meus novos amigos me zoassem de "pega ninguém" do mesmo jeito. Nessa época, eu baixei o Tinder e conheci o meu primeiro namorico, vamos chamar de Ana. Ana morava a 3h30 de viagem, então era praticamente um namoro à distância. Ficamos algumas vezes, 3 meses depois começamos a namorar e, depois disso, ela passou o mês seguinte dando desculpas para eu não ir lá. Chegou fevereiro, veio o carnaval, e ela disse que estava passando mal. Foi para o hospital e detectaram leucemia. Óbvio que eu pirei, queria ir pro hospital dela de todo jeito, mas ela nunca deixava, dizia que os pais me viriam, iria arrumar encrenca, ela iria ver um momento que estivesse sozinha. Se passaram 5 meses nesse tormento, hora ela dizia que estava boa, hora dizia que estava mal, quimio e afins, até que meus amigos de sala fizeram uma intervenção comigo, mostrando que não havia nada em rede social nenhuma dela a respeito de câncer, mostrando que ela estava postando normalmente sobre coisas cotidianas e que era a maior retardadice do mundo eu não ter ido nenhuma vez ver ela. Eu fiquei meio balançado, até porque meus pais concordavam com este ponto de vista, mas fiquei meio irregular com ela. Pouco mais de um mês depois disso, ela disse que tinha tido alta, tinha encontrado um ex, tinha ficado com ele e queria terminar. Não lamentei muito, até porque isso ocorreu em um espaço de uma semana, no máximo. Terminei e, desde então, ouvi dela duas vezes na vida. Passou.
Vale mencionar que, nesse meio tempo, a minha vida em casa havia melhorado demais: durante meu período de Ensino Médio, minha adolescência se resumia a passar finais de semana com minha mãe em bares, vendo ela entrar quase em coma alcoolico com as amigas e outros finais de semana na casa do meu pai, vendo ele ficar bêbado e chorar no meu ombro sobre ele ser um fracassado que não conseguiu sequer manter um casamento. Quando eu terminei, minha mãe já estava mais centrada (como está agora), saindo ocasionalmente e socialmente, e meu pai parou de beber após enfartar e voltou a ser o cara extremamente trabalhador que eu sempre admirei. No fim do meu primeiro ano de faculdade, eu passei a estagiar em um instituto federal. Ao mesmo tempo do término que eu disse acima, eu fui chamado para um concurso temporário, em outro órgão público, bem mais perto de casa.
Poucos meses após eu terminar com a Ana, entrou em cena a pessoa que eu, de fato, considero como a única que eu namorei. Vamos chamar ela aqui de Beatriz. Beatriz me chamou no Facebook, para brincar sobre uma postagem que eu havia feito (já havíamos tido pequeno contato ainda no colégio), e daí começamos a conversar. Dois meses depois, ficamos e, 5 meses depois, começamos a namorar. Ela perdeu a virgindade comigo e, na prática, eu também perdi com ela (transei com prostitutas umas 4 vezes antes. Fiz exames, por precaução, e não deram nenhum reagente). Eu aprendi demais a me aceitar com ela, nós tínhamos a mesma personalidade, ela era a primeira pessoa que não só não me julgava por meus interesses, como me incentivava a seguir eles. Não me cobrava nada, eu não cobrava nada dela, mas conversávamos de forma quase ininterrupta das 7 até meia noite. Com ela, no entanto, eu descobri algo que já havia visto antes nos bordeis: não sei o que me causa, mas com certeza eu tenho ejaculação precoce. Fui em um urologista, que me disse que era algo psicológico, que eu só precisava "me desligar". Tentei os exercícios que o próprio Reddit indica, mas nunca funcionava. Usei camisinha anestésica 2 vezes: uma vez foi uma maravilha, na outra estourou e eu traumatizei. Sempre me sentia extremamente culpado e furioso comigo mesmo após cada fim de penetração, mas o que atenuava era a presença dela, que sempre me dizia que não ligava, que eu conseguia deixar ela no céu somente com as preliminares, que não ligaria de passar por isso por não sei quanto tempo. Tudo que eu me julgava errado, ela me mostrava que não ligava. Eu me sentia num porto seguro com ela, e isso me impulsionava na faculdade: eu imaginava que iria me formar em um emprego na iniciativa privada, sem "data de validade" como meu emprego temporário, e que, 1 ou 2 anos após isso, estaria casado com ela. O único motivo de discussão que tínhamos era que ela tinha total ojeriza de tornar público: não podia postar nada com ela no Facebook, não podia atualizar status de relacionamento, não podia ir conhecer os pais dela, que "iriam proibir completamente". Mesmo os amigos eu só vi 2 vezes (uma outra vez eu não pude ir por motivos profissionais). Eu sempre entendi que isso era um receio dela, então, mesmo um pouco frustrado, eu aceitava. No que eu terminei minha monografia, estava preocupado com a questão do mercado, mas nada demais. Até que veio o dezembro, 1 ano e 4 meses após começarmos a ficar.
Eu estava na faculdade, pegando os convites de formatura, quando ela mandou o tradicional "precisamos conversar". Resolvemos por texto mesmo: ela disse que gostava de outra pessoa, e que se sentia culpada namorando comigo com interesse em outro. Aceitei, triste, e demos um tempo. 2 dias depois, um amigo me manda uma foto no perfil de um rapaz, que era o mesmo que ela gostava: ambos deitados, ela de top e ele sem camisa, e uma descrição bem...insinuante. Óbvio que eu pirei, liguei para ela, tivemos uma baita discussão, mas, depois disso, esfriou. Acabamos nos vendo, e ficando de novo. Ela terminou com o rapaz, mas ainda jurava de pés juntos que aquela foto era uma coincidência, que ela não havia me traído, que jamais faria isso, que era íntegra. E ficamos uns bons 3 meses indo e voltando até que, em abril, ela me mandou um testamento contando tudo: numa segunda, ela estava na casa de uma amiga, com este rapaz e o cara que a amiga estava pegando. A amiga e o peguete dela começaram a dar uns amassos no local e, segundo ela, ela não conseguiu "resistir" e montou no cara. Uma traição espetacular, que até hoje eu uso como humor auto depreciativo. Fiquei em choque por um tempo, mas, contra os conselhos de todos, perdoei ela e voltamos a namorar. Mas não era a mesma coisa. Ainda era maravilhoso por um aspecto, mas, por outro, ela estava insegura com o relacionamento (dizia que se sentia culpada por ter "estragado tudo por um impulso") e eu estava inseguro com tudo, precisava de validação dela pra tudo, principalmente no que tangia sexo. Eu já era inseguro sexualmente antes, agora era 3x mais, então eu basicamente a induzi a me contar toda a experiência sexual dela com ele, até eu me sentir menos perdedor. No entanto, eu estava começando a me recuperar em junho, estava me reencontrando, entendendo que estava apertando ela desnecessariamente (uma amiga teve essa conversa esclarecedora comigo). Então, tanto como solidificação como um pedido de desculpas, eu planejei uma viagem para nós, no dia que ficamos pela primeira vez, que cairia num sábado. Disse para ela os planos, ela ficou elétrica, empolgada, começou a me mandar links do local, brincar com meus planejamentos e afins...e, na semana seguinte, pediu para terminar. Disse que nunca esteve certa sobre nós termos voltado, que ela ainda me amava, que ainda sentia tesão comigo, mas que não se sentia pronta para um relacionamento sério, e "não queria me magoar". Aceitei, até mantive o contato, pq, nesse meio tempo, ela virou a minha melhor amiga. Mas o mesmo amigo da vez anterior me mandou um print de uma conversa dela com a irmã dele, dizendo que tinha terminado por estar afim de outro cara, e eu reconheci o sujeito: era um cara que ela falava horrores bem dele, "ah, fulano fez isso, fulano fez aquilo, me ajudou com x, um cara foda, faz não sei o que". Não sei se ela me traiu, mas tal conversa era de 1 dia e meio após termos terminado, e ela já havia ficado com tal cara. Não sei se ela me traiu de novo, mas a confrontei (não falei do meu amigo, obviamente, disse que a vi na rua) e ela manteve que não me traiu, mas que, dessa vez, poderia ficar com quem quisesse pq "fez a coisa certa". Eu disse que não conseguiria conversar com ela enquanto ainda tivesse sentimentos, ela disse que entendia, mas que queria saber de mim, que eu ainda era "o melhor amigo" dela.
Isso faz um mês e meio. Eu não consigo deixar de me sentir mal. Eu podia ter feito tanta coisa melhor, mas não fiz. Ela me traiu, possivelmente duas vezes, e tudo que eu consigo fazer é me culpar. Eu só não a chamei ainda pq imagino ela ficando com esse cara, que é melhor que eu em tudo: mais bonito, com uma barba farta de lenhador, com uma carreira já estabelecida, carro na garagem, mora sozinho e afins. O que me leva ao lado profissional: a sala da faculdade se reuniu para um churrasco há 3 semanas, estávamos conversando sobre empregos e eu concluí algo: apesar de que eu (e eu sei quão arrogante isso soa) ter feito que metade da sala ganhasse um diploma, eu sou o único dali sem um emprego minimamente fixo e tenho um salário que é o menor de todos, com vantagem. Todos falam que eu vou ganhar 3k, 4k logo, mas eu já cansei de tomar portadas de empresas. Gasto com passagem, gastei com um terno novo, gravata, e tudo que eu consegui foram muito obrigados, mas uma parcela da minha sala que literalmente não consegue entender que 50% e 0,5 são a mesma coisa (eu tive que ensinar manualmente regra de 3 simples e cálculo com números decimais quando estudamos Matemática Financeira) estão em empregos bons na iniciativa privada, comprando casas e carros. E, de todos ali, só uma me arrumou entrevista na empresa dela (que eu não consegui, principalmente por dita empresa estar num processo de fusão). Quatro conversam ocasionalmente, e o resto só entra em contato pedindo para que eu faça para eles provas de inglês de processos seletivos ou provas da faculdade (para os que ainda não se formaram).
Eu estou fazendo Contabilidade agora, vendo se consigo recomeçar, mas estou extremamente desiludido. Não sei o meu problema, mas o que eu imaginava quando entrei na faculdade não aconteceu. Eu sou um total fracassado no mercado de trabalho, e dificilmente vou conquistar algo além de pular de trabalho em trabalho de escritório, para tirar 2 salários e soltar rojão de alegria por não estar desempregado. Na verdade, eu já imaginava algo nessa linha desde o último semestre, mas, além da esperança mínima, eu carregava que iria ter uma família. Alguém me aceitava, alguém me amava. Hoje, eu vejo que nem isso. Nesse mês e meio pós-término, eu percebi como meu stock está horrorosamente baixo. Ouvi diretamente de uma estranha (no Tinder, vale dizer) como eu sou "feio, com cabelo estranho e roupas deprimentes". A maior parte dos meus amigos disse que eu vou achar alguém, mas só uma amiga me apresentou para alguém (Spoiler: eu quis levar pra amizade pq esta pessoa demonstrou 0 interesse romântico em mim, mas temos muitas afinidades de gostos. Não quero que alguém legal se perca só por não querer abrir as pernas pra mim em qualquer futuro).
Então, qual a conclusão? Para relacionamentos, eu sou a tempestade perfeita: meus gostos não são nada pop, meu estilo de roupa desagrada geral, minha voz é deprimente, eu sou lerdo, distraído, amo entrar em rants gigantes quando me empolgo (vide este texto) e, mesmo que alguma garota um dia resolva passar por isso tudo, o prêmio dela será ter de viver com sexo oral recheado por 30s de penetração, num dia bom. Nenhuma mulher no mundo quer se relacionar com um homem que precise fazê-la ter um orgasmo com masturbação pq não aguenta chegar a 1min de penetração. Ou seja, eu até posso tropeçar em alguma peguete (sim, essa é a palavra, tropeçar. Um incidente do acaso, como foi com a minha ex), mas nenhuma jamais chegará a ser de longo prazo. Dificilmente eu terei uma família. E, sem uma família, não há nada para contrabalancear o fato de que eu sou um fiasco profissional. O "menino gênio" do colégio, o "cara que vai ganhar 7000 daqui 3 anos" da faculdade nada mais era que uma pessoa com um par de neurônios no meio de um grupo de pessoas com bases educacionais mais fracas que a minha e, principalmente, sem interesse algum em estudar. Numa sala focada, eu teria de me esforçar para estar no meio do pelotão. Eu sou mediano intelectualmente e, profissionalmente, sou um lixo que não conseguiu fazer networking na faculdade e, hoje, irá ter de viver de escritório em escritório, sem nenhum breakthrough.
Minha vida parece estar desenhada para ser a definição de um fiasco, de um total e completo desperdício de oxigênio. Mas eu tenho uma missão: cuidar dos meus pais. Ambos dependem demais de mim psicologicamente, ambos me amam mais do que qualquer outra coisa. Sem a minha presença aqui, a vida dos dois colapsaria. Sinto que eu só vim ao mundo para ser o pilar da vida de ambos. Então, eu tenho que ir empurrando a minha vida enquanto ambos estão vivos, tentando ao máximo não embaraçar eles mais. Decidi que vou viver a vida no limite nesse meio tempo: finalmente comecei a fazer academia (minha postura sempre foi torta e, nos últimos 2 meses, eu ganhei peso. Quero eliminar essa pança antes que ela vire um problema), fui ao Maracanã mês passado ver a ida da Copa do Brasil (sou de MG), devo receber uma indenização boa quando sair daqui e estou planejando um mês de curso de inglês na Europa (meu inglês é bom, mas não é perfeito e isso sempre me incomodou horrores, sem falar que conhecer a Europa é O sonho que eu tenho de vida). Será o meu maior highlight, e a única loucura que eu me permiti fazer. Quando voltar, vou fazer o que gosto e, mais importante, vou cuidar dos meus pais, de tudo que eles precisarem de mim.
Não sei o que o futuro reserva pra mim, mas, pensando com lógica, eu devo chegar nos meus 35/40 anos quando ambos meus pais falecerem. Quando isso acontecer, serei um solteiro entrando na meia idade, possivelmente com pouca experiência sexual que não envolva garotas de programa, num emprego pouco satisfatório e sem nenhum amor que tenha sido recíproco e que não acabe na mulher se cansando de um cara patético e percebendo que praticamente qualquer coisa é melhor que eu. Será covardia, alguns sentirão tristeza, mas será temporário, todos irão superar, e haverá um pouco mais de oxigênio no mundo.
A minha mente ainda tenta, em alguns momentos, achar alguns cenários de ilusão, de que algum milagre irá acontecer, mas não irá. Eu sei que não. Profissionalmente eu fracassei. Academicamente eu fracassei. E, amorosamente, eu também fracassei. Vi que não basta achar alguém que aguente a minha personalidade, ela não irá suportar alguém que trata preliminares como Evento Principal, e eu irei morrer com esta condição.
Por mais paradoxal que seja, pensando assim eu estou aprendendo a abraçar o que eu gosto. Eu gosto de ler. Eu gosto de sair para comer e voltar para casa. Eu gosto de esportes. Eu gosto de escrever. Eu gosto de viajar. Não vou mudar o que eu gosto pelos outros, até porque será inútil, resolver um sintoma não cura a doença, e não há remédios o bastante para curar todos os sintomas dessa doença chamada eu. Fico feliz pelos meus pais existirem, pq, se não fosse por eles, eu teria sido um fiasco absoluto em vida. Fico feliz pelo meu último namoro, pq eu nunca me senti mais feliz do que numa tarde de sábado, quando ela disse "te amo" pouco antes de cochilar no meu peito. Eu fui feliz com o amor, e, por causa dela, eu aprendi que todo relacionamento que eu entrar, obrigatoriamente, terá um fim unilateral. Eu vou ser feliz com meus outros desejos, concluir meus hobbies, fazer o que eu gosto, e cuidar de quem me ama incondicionalmente, até o fim deles. Dali, serei eu que terei meu livramento.
Eu precisava contar isso pra alguém, mas não quero que tratem isso como um pedido de ajuda, pq não é. Meu real objetivo de vida sempre foi ter uma família minha, ter um filho em uma casa estruturada e passar meu conhecimento adiante. Eu já sei que, por questões psicológicas e físicas, isso jamais acontecerá. Quando meus pais se forem, eu literalmente não terei mais o que fazer aqui e, se tudo der certo, eu terei realizado ao menos uma parcela boa dos meus outros sonhos. Eu estou tranquilo quanto a isso. Talvez ainda sinta, de novo, a dor de ver alguém me trocando por outra pessoa melhor, mas agora eu sei que isso acontecerá. Doerá menos, eu espero. E, se nem isso eu conseguir, bem...dois salários por mês dá para pagar por sexo.
De novo, desculpem pelo texto gigante.
tl;dr: Todos confiavam em mim, todos achavam que meu futuro seria brilhante. Meu futuro será medíocre, patético e, ao menos, tem uma data para acabar
submitted by botafora01 to desabafos [link] [comments]


Conselho sobre namoro para adolescentes e jovens. CONSELHOS 1 - 'MINHA NAMORADA NÃO FICA SOZINHA COMIGO' 10 Conselhos para solteiros - John Piper O MENINO FEIO, que queria namorar uma jovem da igreja Pr Elias Rodrigues NAMORADA INSEGURA! Pastor Cláudio duarte - Dicas para os SOLTEIROS - Palavras ... ADOLESCENTES QUERENDO NAMORAR Conselho para os solteiros - Pr. Claudio Duarte - YouTube CONSELHOS AMOROSOS DA SALLY #PatricinhasNaEscola

Aqui eu Aprendi!: Conselhos para Namorados

  1. Conselho sobre namoro para adolescentes e jovens.
  2. CONSELHOS 1 - 'MINHA NAMORADA NÃO FICA SOZINHA COMIGO'
  3. 10 Conselhos para solteiros - John Piper
  4. O MENINO FEIO, que queria namorar uma jovem da igreja Pr Elias Rodrigues
  5. NAMORADA INSEGURA!
  6. Pastor Cláudio duarte - Dicas para os SOLTEIROS - Palavras ...
  7. ADOLESCENTES QUERENDO NAMORAR
  8. Conselho para os solteiros - Pr. Claudio Duarte - YouTube
  9. CONSELHOS AMOROSOS DA SALLY #PatricinhasNaEscola

Conselho para os INSEGUROS - Duration: ... O QUE AS MENINAS E OS MENINOS CRISTÃOS QUEREM! - Duration: 9:45. ... COMO TER UM NAMORO SANTO - Duration: 8:47. Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. NAMORO NA ADOLESCÊNCIA ... Conselho para os solteiros - Pr. Claudio Duarte - Duration: 7:07. Wellington Azevedo 3,708,585 views. 7:07. O QUE AS MENINAS E OS MENINOS CRISTÃOS QUEREM! ... Este vídeo é um extrato de uma mensagem do Pr. John Piper onde ele dá dez conselhos para ajudar irmãos e irmãs cristãos a manterem a sua pureza enquanto solteiros, estejam num relacionamento ... Onofre e Téia. Casal de evangélicos da Igreja Batista Nacional Cristo Vive de Abaeté, com 55 anos de casados, dão conselhos sobre namoro aos jovens e adolesc... A namorada brasileira do Coreano Reco que ele só mostra para os seus inscritos coreanos - Duration: 1:10:10. Stories dos Coreanos Rirebrano 83,198 views 1:10:10 Conselho para os solteiros - Pr. Claudio Duarte ... NAMORO DE CRENTE - [Sr e Sra Lobos ... Igreja Universal 173,817 views. 4:31. Impactante! Deus usa Menino para falar uma mensagem para a Igreja ... Hoje as 2 maiores patricinhas da internet estão na escola porque a Ashley precisa de uns conselhos urgentes da bff depois que brigou com o namorado!!! Será q... * INSCREVA NO CANAL: https://www.youtube.com/channel/UCtKhsYpZ1LsgLvl7u7Ky5AQ TAGS: #ClaudioDuarte2019 #Relacionamentos #Solteiros #Família #PF_Igreja #PF_Mi...